Política

PF vê evidências de que Gleisi recebeu R$ 1 milhão em propina; senadora se diz ‘vítima de perseguição’

Está no G1

A Polícia Federal concluiu um inquérito que tem a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) entre os investigados e, no relatório, afirma ter encontrado evidências de que a presidente do PT recebeu R$ 1 milhão em propina.

Em nota, Gleisi criticou o “vazamento” de informações sobre o relatório, acrescentando ser “vítima de calúnia e de perseguição” (leia detalhes mais abaixo).

O relatório da PF foi enviado em março ao ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF). Neste inquérito, o ex-ministro do Planejamento e das Comunicações Paulo Bernardo também é investigado – ele é marido de Gleisi.

O inquérito é relacionado a um desdobramento da Operação Lava Jato e apura supostas fraudes em empréstimos consignados aos servidores públicos federais.

A empresa Consist, que administrava o programa de computador usado nos empréstimos, é suspeita de ter repassado R$ 100 milhões ao PT e a políticos.

Há também a suspeita de que a companhia fez pagamentos ao escritório do advogado eleitoral Guilherme Gonçalves, suspeito de repassar o dinheiro a Gleisi.

O relatório

A informação sobre a conclusão do relatório da PF foi divulgada no site da revista Veja nesta quinta e confirmada pela TV Globo.

Segundo as investigações, há pagamentos e movimentação de valores ligados a Gleisi que chegam a R$ 1 milhão e teriam origem no suposto esquema que envolve a Consist. A Polícia Federal viu indícios de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

No relatório, a PF afirma: “Existem indicativos de que Gleisi Helena Hoffmann de alguma forma colaborou para ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores oriundos do esquema criminoso Consist, pois foram identificados diversos registros de pagamentos feitos em benefício da senadora Gleisi Helena Hoffmann ou de pessoas relacionadas a ela e/ou ao marido Paulo Berbardo entre os anos de 2010 e 2015.”

Latam

No relatório, a Polícia Federal também aponta o possível pagamento de caixa 2 pela companhia aérea Latam a Gleisi.

A PF identificou o pagamento de R$ 300 mil pela companhia em 30 de agosto de 2010 ao escritório de Guilherme Gonçalves, que afirma não ter prestado serviço à Latam.

Para a Polícia Federal, o contrato foi simulado, e a conduta pode configurar crime de falsidade ideológica eleitoral.

No documento, a PF afirma: “Existem indicativos de que Gleisi Hoffmann, com a participação de Marco Antonio Bologna (ex-presidente da TAM), Luiz Claudio Mattos de Aguiar (ex-diretor jurÍdico da TAM) e Guilherme Gonçalves (advogado da área eleitoral), ao menos omitiu, em documento público ou particular, a saber a prestação de contas relativa à campanha ao Senado Federal de 2010, declaração de que recebeu, em 30/08/2010, R$ 300.000,00 (trezentos mil reais) da empresa TAM para fins eleitorais por intermédio de um contrato de consultoria jurídica simulado entre o escritório de Guilherme Gonçalves e a empresa TAM sem a correspondente prestação do serviço, mas com registro de uso como honorário eleitoral.”

Versões

Saiba abaixo o que todos os citados no relatório da PF afirmaram:

A senadora Gleisi Hoffmann questionou o vazamento do relatório de um processo que corre em segredo de Justiça, afirmando que lamenta ser vítima de calúnias e perseguição. A parlamentar declarou ainda que nunca teve as contas pagas por terceiros nem recebeu dinheiro ilegal para ela ou para as campanhas. Segundo a senadora, não há qualquer fato ou prova, mas, sim, insinuações levianas que remetem a terceiros.

A defesa de Paulo Bernardo disse que ele não é investigado neste inquérito.

A empresa Consist declarou que sempre colaborou e continuará colaborando com a Justiça.

A TV Globo não localizou Guilherme GonçalvesMarco Antonio Bologna e Luiz Cláudio Mattos de Aguiar.

Foto reproduzida da Internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *