Artigo

Por que tanta pressa da imprensa em definir candidaturas?

Não sei o por que de tanto açodamento por parte de setores da imprensa para que os possíveis candidatos ao governo do Rio Grande do Norte definam suas candidaturas. Nomes vem sendo postos, natural, mas daí se cobrar definições agora, quando o prazo para filiação partidária é 7 de abril, ou seja, um pouco mais de dois meses?

O governador Robinson Faria (PSD) é candidato natural a reeleição, mas ainda não tem certeza se concorrerá. A senadora Fátima Bezerra (PT), líder nas pesquisas de intenção de voto também ainda não se posicionou oficialmente se será ou não candidata ao governo do estado. O prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT), outro nome lembrado nas pesquisas, idem, não se definiu ainda. Agora setores da imprensa divulgam que o vice-governador Fábio Dantas, hoje no PCdoB poderá se filiar ao PSB para sair candidato à sucessão estadual.

O que se tem de concreto, na verdade, é que as conversas já saíram dos alpendres das casas de veraneio e chegaram as salas dos apartamentos. E só. Definição que é bom só após 7 de abril, quando aí vai se saber quem mudou de cadeira e os pretensos candidatos. Outro dia escrevi um artigo aqui mesmo no Blog dizendo que o momento requer cautela, até porque caldo de galinha não faz mal a ninguém. Fato é que os políticos de uma maneira geral estão com o freio de mão puxado. O país passa por momentos difíceis social, econômico e político e, sobretudo, no meio político. O sinal de alerta chegou no amarelo, de atenção. Já disse e repito, a política está vivendo um cenário sombrio, diria até de tensão porque o povo está ressabiado.

Em sua mensagem anual dirigida à Assembleia Legislativa no início de fevereiro, o governador enfatizou que neste momento coloca o Rio Grande do Norte em primeiro lugar, “acima de todos e acima de mim mesmo” e ao editar o post chamei a atenção pra isso num inter-título com o nome Conotação política (clique aqui pra ver) . O governador deixou claro que o que está em jogo não é o seu projeto político, mas a tarefa de tirar o Rio Grande do Norte do estado crítico em que se encontra.

Daí dizer que Robinson Faria estuda ainda a possibilidade de não sair candidato a reeleição priorizando os investimentos que ainda poderão ser feitos na sua gestão e, principalmente, colocar o salário em dia do funcionalismo público estadual, sabedor que isso tem que ser prioridade em qualquer governo. A possibilidade dele apoiar a candidatura do seu vice à sua sucessão não está fora de cogitação, mas é preciso dar tempo ao tempo.

A conferir!

Foto reproduzida da Internet

One Response to Por que tanta pressa da imprensa em definir candidaturas?

  1. Alob disse:

    Acho difícil Robson abrir mão da candidatura. E mais difícil ainda, Ele conseguir se reeleger governador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *