Editorial

A quem o tucano Rogério Marinho representa? O povo ou o empresariado?

Relator da reforma trabalhista do governo Michel Temer, o deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), que está sendo investigado em um inquérito aberto no STF (Supremo Tribunal Federal), conforme reportagem de abril deste ano veiculada na revista CartaCapital, por seu suposto envolvimento em uma empresa terceirizada que coagia funcionários demitidos a renunciar às verbas rescisórias e a devolver a multa do FGTS, agora é relator da reforma que trata sobre os Planos de Saúde.

O tucano está propondo nesta reforma o fim do rol mínimo de procedimentos, uma lista de exames, cirurgias e tratamentos que as empresas hoje são obrigadas a fornecer a seus usuários. E ainda: o parlamentar, além de querer mudar a cobertura dos planos de saúde propõe cobrar mais dos idosos, alegando que em vez de um reajuste alto, antes da pessoa completar 60 anos, as mudanças seriam feitas periodicamente, como se isso não já ocorresse. A ideia do relator tucano é apresentar o texto final até o início de novembro.

A quem Rogério Marinho representa? O povo ou o empresariado? Considerado um parlamentar do “baixo clero”, por não ter influência na Câmara em decisões importantes, o tucano agora está sob à luz dos holofotes. Primeiro como relator da reforma trabalhista, tonando-se um algoz da classe trabalhadora. Agora, novamente as luzes da ribalta se voltam pra ele como relator da reforma dos Planos de Saúde que vai colocar a “faca” no pescoço dos usuários e, sobretudo, dos idosos.

Mas isso é perfeitamente compreensível. O deputado tucano representa outros interesses que não os do povo. No próximo ano tem eleição e ele vai tentar se reeleger. Necessita do apoio do empresariado, claro e óbvio. Uma campanha custa caro, todos sabemos. E, além do mais, no dia 1.º de dezembro de 2016, quando o Brasil avaliava a polêmica votação das 10 Medidas contra a corrupção ocorrida durante a madrugada anterior na Câmara dos Deputados, a Mesa Diretora da Casa publicou ato elevando para 33 anos o limite de idade de dependentes de Assistência à Saúde da Câmara dos Deputados (Pró-Saúde).

Até então, podiam constar como dependentes do plano filhos com no máximo 25 anos, que comprovassem que estavam estudando. O Ato nº 125 ampliou a idade para 33 anos e tirou a exigência de estudo. Mas há contribuição mensal que varia de R$ 305, dos 21 aos 23 anos, a R$ 423, dos 29 aos 33 anos. detalhe: tudo custeado pelo bolso do contribuinte, óbviamente!

Portanto, o deputado tucano Rogério Marinho não está lá muito preocupado com Plano de Saúde não. Dos outros, bem entendido.

Atualmente, a contribuição mensal de cada deputado e servidor é de R$ 322, para um grupo familiar. Segundo informações do Pró-Saúde, ainda há coparticipação de 25% sobre o valor da despesa médica realizada.

O Pró-Saúde tem 17.256 beneficiários, segundo informações da Câmara. Suplentes no exercício parlamentar também têm direito, desde que contribua. Se não estiver no exercício do mandato, perde o direito. Os ex-deputados titulares podem continuar participando do programa de saúde, mas passam a pagar uma contribuição não subsidiada, que hoje está no valor de R$ 1.110,16, diz o site da Câmara.

Então, caro leitor, será que o deputado tucano Rogério Marinho nos representa?

A conferir!

Foto reproduzida da Internet

 

 

One Response to A quem o tucano Rogério Marinho representa? O povo ou o empresariado?

  1. taciana disse:

    Ele só representa a si mesmo. E seu único interesse é prejudicar o povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *