Editorial

Temer, o entreguista

Não bastasse ser golpista o presidente Michel Temer também é entreguista. Está loteando o Brasil privatizando estatais, caso da Eletrobras, por exemplo, e se brincar irá privatizar a Petrobras, e enquanto isso a sociedade de braços cruzados, inerte, lamentavelmente.

Agora surgem notícias de que o governo Temer agiu em defesa dos interesses da Shell e de outras petroleiras inglesas com interesse no pré-sal por pressão direta do governo do Reino Unido.  O jornal inglês The Guardian publicou telegrama da chancelaria do Reino Unido que comprova como o governo do país encomendou ao governo ilegítimo Temer medidas para atender aos interesses das petroleiras britânicas  Shell, BP e Premier Oil na área do pré-sal.

Além disso, o governo golpista quer também cobrar mensalidades nas universidades públicas. Ou seja, o governo quer fazer com o ensino superior o mesmo que os governos militares fizeram com o ensino médio e fundamental sucateando a escola pública para que escolas privadas surgissem no Brasil abusando das mensalidades escolares.

Não bastasse, o governo golpista quer acabar com a Farmácia Popular. Um dos mais conhecidos programas do Ministério da Saúde, o Farmácia Popular, iniciativa dos governos petistas que oferta medicamentos gratuitos ou com até 90% de desconto, deve passar por mudanças. Para o setor farmacêutico, as medidas o colocam em risco.

Após fechar cerca de 400 farmácias da rede própria que mantinha no programa, o governo quer agora mudar o modelo de pagamento para farmácias particulares credenciadas. Hoje, há cerca de 30 mil estabelecimentos que ofertam os medicamentos no Aqui Tem Farmácia Popular, nome dado ao eixo do programa na rede particular.

O presidente usurpador decidiu ainda assinar um decreto proibindo a criação de cursos de medicina no Brasil por um período de cinco anos.

É exatamente o contrário do que o Brasil precisa. O governo golpista está cometendo com este decreto um atentado contra a saúde da população.

O que diz a classe médica que queria Dilma fora do governo?

O Brasil tem no máximo a metade do número de médicos de que necessita. E a esmagadora maioria dos milhares de médicos brasileiros em atividade trabalha nas capitais e nos grandes centros urbanos.

Quando foi criado o programa Mais Médicos, que o governo golpista esvazia pouco a pouco a cada dia, 700 municípios brasileiros não tinham nenhum médico, 1.900 municípios tinham apenas um médico e outras tantas cidades só contavam com um médico alguns dias por semana.

Como se observa, o governo golpista além de está envolvido em escândalos é entreguista. E a classe média calada como se tudo estivesse as mil maravilhas.

Tenho dito!

Foto reproduzida da Internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *