Entrevista

Humor: relator do `baixo clero´ fala da reforma trabalhista em Barril

O jornalista Gyro Gearloose, correspondente do Blog em Barril (país que fica nos cafundós do Judas na América do Sul), após muita insistência conseguiu uma entrevista inédita com o relator do projeto de reforma trabalhista na Câmara daquele país, deputado Robério Maninho. Barril, assim como o Brasil, está tentando implantar as reformas da previdência e trabalhista, mas enfrenta a resistência do povo barrilense.

Nesta entrevista, Gearloose abordou o fato do deputado Robério Maninho ser considerado do chamado “baixo clero”, mas que conseguiu seus 15 minutos de fama ao ser indicado relator da matéria que prejudica os trabalhadores. Robério Maninho, claro, não gostou da insinuação do nosso correspondente e retrucou: “não pertenço a clero nenhum. Aliás, é bom que se diga que o clero em meu país está contra a reforma trabalhista, o clero está do lado dos vagabundos”. Leia a seguir a íntegra da entrevista:

1- blogdobarbosa – Deputado Robério Maninho, o Sr, como deputado do baixo clero, conseguiu seus 15 minutos de fama ao ser indicado relator da reforma trabalhista de Barril. O Sr se sente lisongeado pelos holofotes que conseguiu?

Robério Maninho – Não pertenço a clero nenhum. Aliás, é bom que se diga que o clero em meu país está contra a reforma trabalhista, o clero está do lado dos vagabundos.

2- blogdobarbosa – Como o Sr viu a manifestação contra a reforma trabalhista realizada em Barril?

Robério Maninho – Devo dizer que só vi baderna, pelo menos isso foi o que a emissora de maior audiência de Barril mostrou, a TV Bobo.

3- blogdobarbosa – Mas a imprensa internacional deu grande destaque as manifestações espalhadas por Barril.

Robério Maninho – Só se foi a imprensa de Cuba.

4- blogdobarbosa – O Sr não acha que a reforma trabalhista do jeito que ela está sendo proposta só interessa aos empresários de Barril?

Robério Maninho – Isso é uma pergunta que não tem o menor cabimento. É verdade que o empresariado barrilense contribuiu com algumas emendas, mas isso não significa que a reforma seja apenas do interesse da classe empresarial. A reforma trabalhista interessa, sobretudo, aos trabalhadores, porque serão gerados mais empregos, na medida em que o empresário vai poder demitir mais gente para contratar outras pessoas. Isso não é bom?

5- blogdobarbosa – Não vejo como isso sendo bom. Aliás, bom é, para o empresário.

Robério Maninho – Você está sendo pessimista. Veja pelo lado bom da coisa. Além da reforma trabalhista nós governistas estamos também atuando para aprovar a reforma da previdência. Precisamos neoliberalizar o nosso país. O mundo cobra isso. Veja o caso dos Estados Unidos com a eleição de Donald Trump. E no Brasil, a eleição de João Dória, prefeito da maior cidade brasileira, São Paulo. São exemplos de que o mundo está mudando, o eleitorado está ficando mais consciente.

6– blogdobarbosa – Mas retirar os direitos dos trabalhadores não é um retrocesso?

Robério Maninho – Que trabalhadores. Essas pessoas que são contra as reformas são vagabundas, não querem trabalhar, querem apenas um emprego.

7- blogdobarbosa – O Sr chama de vagabundos os trabalhadores. Mas o que dizer de parlamentares como o Sr que nunca teve uma carteira assinada e pode se aposentar com apenas um mandato?

Robério Maninho – Êpa, assim você me ofende. Nunca tive uma carteira assinada, apesar de ter nível superior, porque sempre me dediquei à política. Quanto tempo da minha vida me dediquei a ir pedir votos, fizesse sol, fizesse chuva. Votos suados e agora tenho a oportunidade de retribuir isso ao meu eleitorado com a relatoria da reforma trabalhista para o povo de Barril, que acho que vai me agradecer daqui a alguns anos.

8- blogdobarbosa – Finalizando a nossa entrevista, o Sr espera, como mesmo disse, ser reconhecido num futuro pela população? O Sr espera então ser reeleito?

Robério Maninho – Não só espero como tenho a absoluta certeza meu caro jornalista. Quem viver verá.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *