Política

Pressão da mídia e conduta de Cármen Lúcia deixam país à beira do caos, afirma deputado

Está no Viomundo, de Luiz Carlos Azenha

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT), criticou a presidenta do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmem Lúcia, por estar, segundo ele, mais preocupada com possíveis resultados dos julgamentos do STF do que com o cumprimento da Constituição Federal.

De acordo com Pimenta, a tática, “obstrução de minoria”, usada por Carmem Lúcia, é usual no meio político, mas jamais vista no Poder Judiciário.

“A estratégia de Carmem Lúcia, de não pautar Habeas Corpus no pleno do STF, é comum nos legislativos: obstrução de minoria. Quando se sabe que vai perder e não tem votos, tranca-se a pauta para não votar a matéria. O inusitado é ver isso no Judiciário, afinal de contas, na Suprema Corte, guardiã da Constituição, os objetivos e estratagemas de plenário deveriam observar exclusivamente o respeito ao Estado Democrático de Direito. Quando a presidenta define a pauta em sintonia com os editoriais da grande mídia é preocupante o cenário”, ressaltou Pimenta.

PSDB 

O líder do PT lembrou que quando o senador Aécio Neves (PSDB-MG)  foi afastado, em 26 de setembro de 2017, por uma decisão da 1ª turma do STF, Carmem Lúcia agiu rápido e três dias depois marcou a data do julgamento, que posteriormente devolveria ao senador mineiro uma cadeira no Congresso Nacional.

Carmem Lúcia deu o voto que garantiu a possibilidade de o Senado Federal devolver o mandato de Aécio Neves.

O senador tucano havia sido afastado do cargo por aparecer em gravações sobre  propina de R$ 2 milhões com o empresário Joesley Batista.

Na última sexta-feira (9), Carmem Lúcia antecipou a pauta do STF para o mês de abril, deixando de fora tanto o pedido de garantia de liberdade do ex-presidente Lula quanto a revisão de pena após condenação em segunda instância.

Polêmicas

Neste fim de semana, Carmem Lúcia se envolveu em mais uma polêmica, ao receber, fora da agenda, o presidente Michel Temer, que é investigado pelo próprio Supremo Tribunal Federal.

Foto: Benildes Rodrigues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *