Editorial

Quanto mais tentam impedir Lula de ser candidato, mais o petista cresce

Dois fatos me chamaram a atenção na semana passada sobre as tentativas de impedir Lula de ser candidato: o primeiro foi no início da semana, quando o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, titular da Operação Lava-Jato, ao participar do Fórum Reconstrução do Brasil, promovido pelo jornal O Estado de S. Paulo, na capital paulista, foi questionado sobre as ações durante as suas férias. “A imprensa vive questionando o juiz, porque as férias são muito longas, com alguma razão. E quando o juiz trabalha nas férias, também criticam”, declarou. Moro disse ainda que já apresentou sua resposta, sem especificar detalhes, ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça), que o intimou a respeito do impasse na soltura de Lula. Aí o magistrado disse:

“Posso ter me equivocado, nenhuma pessoa é perfeita. Mas sempre agi com a pretensão de fazer o que era certo”.

Ora,ora,ora. O simples fato de Moro dizer que pode ter se equivocado na decisão de não autorizar a soltura de Lula, mesmo estando de férias, já demonstra um mea-culpa, embora que diante de sua soberba não queira admitir, colocando em seguida que sempre agiu com a pretensão de fazer o que era certo. Óbviamente, mesmo equivocado, como admitiu, o “certo’ para Moro naquele momento era descumprir uma determinação de um desembargador de plantão em plena função, já que este não se encontrava de férias como ele.

O outro fato diz respeito a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que afirmou que a Procuradoria Geral da República irá ajuizar ações judiciais de impugnação contra todos os candidatos cuja candidatura esteja vetada pela Lei da Ficha Limpa, incluindo os condenados por órgão colegiado.

Dodge anunciou também que o Ministério Público vai pedir a devolução de todo recurso público usado na campanha eleitoral por político que já seja enquadrado na Ficha Limpa e cuja candidatura venha a ser impugnada pela Justiça Eleitoral.

Assinei uma instrução normativa no âmbito da [minha] atribuição eleitoral que visa instruir os procuradores regionais eleitorais sobre uma questão que é importante. […] Orienta que todos os promotores e procuradores ajuízem ação de impugnação ao registro, com base na lei complementar 64, [como na] existência de condenação transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado”.

Isso é uma sinalização para impugnar a candidatura de Lula, não tem outro objetivo e o recado foi dado de forma velada.

Sabe-se que Lula é preso político, líder em todas as pesquisas de intenção de voto. Lula está preso, na verdade,  para ser impedido de disputar as eleições, como apontam as maiores lideranças do mundo, como o senador Bernie Sanders, político mais popular dos Estados Unidos, entre tantas outras personalidades mundiais do mundo político e artístico.

O que se observa claramente é uma orquestração para aniquilar Lula da política, pois que sabem se ele puder ser candidato ganha em primeiro turno, tal a popularidade do petista. É por isso que digo, Lula é igual a fermento pra fazer massa de pão, quanto mais a “artilharia pesada” da imprensa golpista mira nele e quanto mais tentam impedir Lula de ser candidato, mais o petista cresce.

A conferir!

Charge: Aroeira, em O Dia

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *