Editorial

Moro e os meninos da Lava Jato estão mais sujos do que pau de galinheiro, o que sugere cenas patéticas

Por mais que o governo tente amenizar as revelações feitas pelo site Intercept Brasil de diálogos pouco republicanos entre o então juiz federal Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça, e o procurador Deltan Dallagnol, o estrago já foi causado e arranhou muitíssimo não só o auxiliar direto do presidente Jair Bolsonaro, mas como também a ele próprio, tendo em vista que pelo conluio montado a intenção era mesmo evitar uma possível candidatura de Lula – a qualquer custo – e eleger Bolsonaro ao Planalto, conluio esse que passou, conforme o próprio Bolsonaro, dias atrás, por uma possível indicação de Moro para o STF, a pedido do então juiz.

A propósito dos diálogos entre Moro e Dallagnol revelados mundialmente, o editor do The Intercept, Glenn Greenwald, rebateu as afirmações do ministro Sergio Moro e dos procuradores da Lava Jato, que insistem na tese de que os conteúdos revelados pelo site foram adulterados.

“Por que eles não [mostram os originais]? Porque sabem que estão enganando ao usar insinuações que ‘poderiam ser alteradas'”, acrescentou Glenn.

Fato é que faltava o baton na cueca, não falta mais. A Lava Jato usou o Judiciário para fins políticos, conforme texto publicado no Blog Viomundo assinado por João Filho, The intercept.

O ex-juiz federal “todo poderoso” da Lava Jato já não tem moral mais pra nada. Está literalmente mais sujo do que pau de galinheiro assim, como bem disse o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, “o bobo do Dallagnol”.


Bolsonaro e Moro devem é tá preocupados com os vazamentos dos diálogos entre o ex-juiz e o procurador da Lava Jato Dallagnol, pra proporcionar uma cena patética como a que ocorreu na semana passada em um jogo do Flamengo em Brasília, onde o ministro da Justiça foi induzido pelo patrão a vestir a camisa do time rubronegro para parecer que está tudo tranquilo no governo. Visivelmente constrangido com um sorriso amarelo no rosto, o ex-juiz federal foi induzido a vestir a camisa do time rubronegro. Talvez nunca tenha entrado num estádio de futebol, mas “para o bem da Nação”, todo o esforço é válido.

Moro e os procuradores dizem não reconhecer os conteúdos das conversas secretas e ilegais mantidas por eles que revela um conluio para construir provas contra o ex-presidente Lula. Apesar de afirmar que foram alvos de hackers, os procuradores não entregaram seus celulares para perícia da Polícia Federal.

O editor-executivo do Intercept, Leandro Demori, da equipe liderada por Glenn Greenwald, afirma que os arquivos obtidos pelo site contêm “centenas e centenas de áudios, mensagens e vídeos”, que constituem “um arquivo colossal”. Demori diz que não há dúvida em relação à autenticidade dos arquivos que causaram a liquidação da reputação de Sérgio Moro e Deltan Dallagnon e devem enterrar a Operação Lava Jato.

A conferir!

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *